Marcos Ottaviano | www.marcosottaviano.com.br

Marcos Release PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcos Ottaviano   
Dom, 20 de Janeiro de 2013 17:36

Em 2015, Marcos Ottaviano completa 25 anos de carreira.

Sua trajetória iniciada em 1990, na ocasião em que foi um dos fundadores da Companhia Paulista de Blues, coincide com seu ingresso no ensino de guitarra blues. O músico é, há muito tempo, uma referência deste estilo no Brasil. Ottaviano tem dois vídeos didáticos gravados.

Em 1992, o instrumentista integrou a banda de Celso Blues Boy e, em 1994, participou do grupo Fickle Pickle, assumindo o lugar de André Christovam, à convite de Paulo Zinner.

Em 1993, Ottaviano ingressou no Blue Jeans, onde permaneceu durante treze anos. A banda foi considerada o melhor trio de blues pela crítica. Sua trajetória no grupo foi profícua.

Em 2002, a banda se apresentava no Bourbon Street, quando, de repente, surgiu Ron Wood na casa. Entusiasmado com o desempenho do grupo, o guitarrista dos Rolling Stones pediu para subir ao palco com eles. Resultado: uma jam histórica. E Wood chegou a pedir o telefone de Marcos Ottaviano, após chamá-lo de “The Teacher” – o apelido acompanha seu nome até hoje.

Em 2003, o trio lançou o CD Come Back Home, que foi muito bem recebido pela crítica especializada. O disco conseguiu emplacar sete músicas no Top 10 da maior rádio norte-americana de blues da internet, a Bandit Blues Radio, graças aos votos de ouvintes do mundo todo. Este fato se converteu num recorde na história da emissora.

Em 2004, o grupo foi convidado para abrir os três shows que B.B. King iria realizar em São Paulo. Num deles, a banda foi surpreendida pelo rei do blues, que além de chamá-la ao palco ao fim de sua apresentação, deu a seguinte declaração: “Minha missão está cumprida, porque há, no mundo, uma banda, como a Blue Jeans, representando tão bem o blues.”

E, em 2007, a banda gravou um DVD com Magic Slim, como convidado especial, em comemoração aos seus 20 anos de carreira. O bluesman de Chicago veio ao Brasil especialmente para realizar esta gravação. Ottaviano, elogiado pela crítica especializada e por músicos como B. B. King, John Pizzarelli, Magic Slim e Ron Wood, tornou-se especialista na linguagem de mestres como Eric Clapton e Freddie King e na técnica de slide de Duane Allman e Mick Taylor.

O guitarrista já participou dos principais festivais de blues no Brasil. O músico também acompanhou e promoveu jam sessions com instrumentistas, como Buddy Guy, Big Time Sarah, John Pizzarelli,Peter Tork (The Monkees) e Bobby Keys (Rolling Stones).

Em 2000, Marcos Ottaviano lançou seu primeiro disco solo, o CD November 12 Sessions. O trabalho, produzido por Alexandre Fontanetti, apresenta composições próprias e releituras de clássicos do blues, como Ain’t No Sunshine, Ramblin’ On My Mind e Going Down. As revistas Guitar Player e Cover Guitarra apontaram o álbum como um dos melhores do ano. As publicações também lhe deram destaque ao entrevistá-lo.

Em 2010, o guitarrista lançou o álbum “Marcos Ottaviano e Kiko Moura Project”, que também foi elogiado pela crítica.

Em 2013, chegou ao mercado mais um trabalho de Marcos Ottaviano: o CD Blood, Sweat & Electric, uma coletânea instrumental de suas composições com gravações realizadas entre 1995 e 2010.

Em comemoração de seus 20 anos de carreira, em 2010, o guitarrista lançou o livro Guitarra Blues do Tradicional ao Moderno, fruto de um amplo estudo realizado pelo guitarrista ao longo dos últimos 25 anos.O projeto foi desenvolvido em parceria com a revista Guitar Player e aborda as mais diversas vertentes do estilo.

Ottaviano assinou um dos textos de apresentação do livro, Ron Wood, a Autobiografia de um Rolling Stone (2012) e o prefácio da biografia B.B King Uma vida de Blues (2014), ambos publicados pela Editora Generale.

Como produtor, seus últimos trabalhos foram o EP Desejos Furiosos, segundo registro do cantor e compositor Guy Corrêa, que contou com a participação dos músicos Lee Marcucci e Mário Fabre; e o terceiro disco do guitarrista Marcio Tucunduva, intitulado Tempestade. Este trabalho foi mixado nos Estados Unidos pelo engenheiro de som e produtor Chris Shaw, quatro vezes vencedor do Grammy (Bob Dylan/ Modern Times e Love and Theft, The Derek Trucks Band/ Already Free e Wilco/ A Ghost is a Born); e masterizado por Joe Palmaccio, nos Estados Unidos, também ganhador de quatro Grammy (Eric Clapton, KISS, Alicia Keys e Taylor Swift).

Marcos Ottaviano é um dos guitarristas de blues mais requisitados para gravações em estúdio. O músico já trabalhou com Nasi, Mona Gadelha, Robson Fernandes, Clara Guimel, entre outros; totalizando sua colaboração em mais de 30 CDs.

Última atualização em Ter, 11 de Agosto de 2015 22:44